Arena 22 Blog Notícias Preconceito no futebol feminino ainda existe?

Preconceito no futebol feminino ainda existe?

Cada ano que passa, o futebol feminino briga por mais espaço e investimento. O preconceito no futebol feminino é um tema bastante levantado por atletas, jornalistas e torcedoras.   Por isso, o Arena 22 preparou uma matéria especial abordando o assunto. Além disso, pedimos opiniões de alguns especialistas no assunto.   Dessa maneira, você poderá […]

Por Redação Arena 22 19/07/2021

Cada ano que passa, o futebol feminino briga por mais espaço e investimento. O preconceito no futebol feminino é um tema bastante levantado por atletas, jornalistas e torcedoras.

 

Por isso, o Arena 22 preparou uma matéria especial abordando o assunto. Além disso, pedimos opiniões de alguns especialistas no assunto.

 

Dessa maneira, você poderá aumentar seus conhecimentos e entender um pouco mais sobre o preconceito no futebol feminino e o preconceito com as mulheres no esporte.

 

Vale lembrar que essa matéria não pretende impor nenhuma verdade absoluta sobre o preconceito no futebol feminino. Mas sim, trazer pontos importantes para esse debate.

 

Por que o futebol femino é tão desvalorizado no Brasil?

 

Muitas atletas já se queixaram da falta do reconhecimento das mulheres no futebol brasileiro.

 

Desde salários desiguais, até premiação das competições organizadas pelos órgãos responsáveis pelo futebol. Por qual motivo o futebol feminino é tão desvalorizado no Brasil?

 

Certamente, o preconceito no futebol feminino vai além das quatro linhas.

 

Grandes times de futebol demoraram para montar equipes de futebol feminino. 

 

Muitos passaram a contar com um elenco profissional feminino somente após ser uma obrigação exigida pela FIFA.

 

Além disso, os patrocínios envolvendo competições femininas são muito menores. 

 

Afinal, os campeonatos de futebol feminino não são transmitidos pelas principais emissoras do país.

 

Com salários mais baixos e menos incentivo do que recebem os homens, as mulheres lutam pelo fim do preconceito no futebol feminino.

 

Quais os preconceitos no futebol feminino

 

O preconceito com mulheres no futebol aparece desde cedo. Muitas meninas acabam sendo desestimuladas a praticar o esporte por “não ser coisa de mulher”.

Essas pequenas frases podem acabar com o sonho de várias garotas, além de ser um grande preconceito com as mulheres no esporte.

 

Certamente, você já deve ter ouvido alguém comentar que “mulher jogando bola é errado”. Entretanto, nenhum motivo plausível é apresentado para concluir a afirmação.

 

Nas categorias de base a dificuldade é ainda maior. Poucas oportunidades, condições precárias e, muitas vezes, nenhum salário.

 

Já parou para pensar quantas Martas e Formigas nós perdemos por conta do preconceito no futebol feminino?

 

Falando nisso, a Rainha do futebol é uma jogadora que sempre luta por mais reconhecimento das mulheres no futebol.

 

Um dos pontos apresentados por Marta é, justamente, o patrocínio recebido por ela, eleita seis vezes melhor jogadora do mundo, ser infinitamente menor que o do Neymar, por exemplo.

 

Outra atleta de alto nível que também combate o preconceito no futebol feminino ganhou os holofotes ao provocar o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após conquistar a Copa do Mundo de 2019.

 

Megan Rapinoe, eleita a melhor jogadora do mundo na época, levanta pontos importantes para o debate sobre o preconceito no futebol feminino.

 

De acordo com a atleta, não faz sentido o futebol masculino ser mais valorizado em seu país. Afinal, elas ganharam a Copa do Mundo em quatro oportunidades.

 

Já o futebol masculino dos Estados Unidos nunca conseguiu grandes feitos e, certamente, nunca chegará perto das conquistas do feminino.

 

Então, por qual motivo o salário e prêmios pagos pelas ligas norte-americanas são maiores para os homens?

 

Porque as mulheres são menos valorizadas no futebol?

 

O que falta para o reconhecimento das mulheres no futebol chegar? Por qual motivo as mulheres são menos valorizadas?

 

Uma afirmação bastante comum diz que: o interesse é maior pelo futebol masculino e, portanto, as marcas irão querer investir nele e estarão dispostas a pagar um valor maior.

 

Outro ponto levantado é o nível de competitividade. Muitos dizem que o futebol feminino é inferior ao masculino, mesmo existindo exemplos como o levantado por Marta e Rapinoe.

 

Até mesmo na horar de torcer as mulheres encontram dificuldades. Existe quem pense que estádio de futebol não é lugar para garotas.

 

Ou então, custam a acreditar que a mulher realmente entenda sobre futebol e começam com questionamentos do tipo: “então, me fala o que é impedimento”.

 

Qual a importância do público feminino dentro do esporte?

 

Para muitos, o futebol feminino é desvalorizado devido o baixo interesse do público. Portanto, a importância das mulheres dentro do esporte, não apenas como jogadoras, é fundamental.

 

Com o investimento chegando aos poucos, muitas torcedoras já passam a engajar com os times de futebol feminino no Brasil.

 

Além disso, o esporte é um direito de todo cidadão e não pode ser privado de ninguém. Por isso que não é errado mulher jogando bola! Muito pelo contrário!

 

Quanto mais crianças forem mobilizadas pelo esporte, independente de qual seja, melhor será para toda a sociedade.

 

Por isso, é fundamental que as mulheres ocupem grandes espaços no esporte para que sejam referências aos futuros atletas e cidadãos do mundo.

 

Quantos times de futebol feminino existem no Brasil?

 

Assim como no masculino, existem muitos times de futebol feminino no Brasil. Entretanto, nem todos os clubes são profissionais, no caso das mulheres, a grande minoria funciona assim.

 

Para você ter uma ideia, em 2020 haviam 16 clubes disputando a Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. Deles, 10 eram considerados profissionais pela CBF.

 

Os outros seis clubes da primeira divisão ocupavam a categoria de times amadores, mesmo jogando na elite do futebol feminino.

 

Atualmente, na temporada 2021, todos os times de futebol feminino da primeira divisão são profissionais. (confirmar essa informação com alguma especialista, nenhuma matéria recente sobre o assunto).

 

O que um time precisa para ser considerado profissional?

 

Para uma equipe ser considerada profissional pela CBF, é necessário emitir contratos profissionais das jogadoras no sistema da gestora do futebol brasileiro e da FIFA.

 

Neste caso, é necessário registrar as atletas como funcionárias CLT, com todos os direitos incluídos e assegurados.

 

Há poucos anos, era uma tarefa complicada encontrar uma jogadora de futebol recebendo salários com carteira assinada. Trata-ve de um privilégio dos homens, e para poucas.

 

Felizmente, isso está mudando a cada temporada que passa. Contudo, falta muito para o acabar com o preconceito no futebol feminino.

 

Artigos relacionados

Ver mais artigos